SABERES E PRÁTICAS: multirreferência e interdisciplinaridade – volume 3

Confira nossa participação no livro SABERES E PRÁTICAS: multirreferência e interdisciplinaridade – volume 3, como tema PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS https://editoracrv.com.br/produtos/detalhes/32274-saberes-e-praticasbr-multirreferencia-e-interdisciplinaridade-volume-3


|

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

GESTÃO DE PESSOAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: UMA ANÁLISE MULTIRREFERENCIAL

Confira a publicação do nosso artigo na revista Cientifica multidisciplinar. https://cdn.ibesfacsal.com.br/scientia/revistas/scientia-04-2017.pdf

Páginas: 104-122
Autor: Anne Alves Silva, Daisy Lima de Souza e Edilania Ramos Borges




|

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

GÊNERO TEXTUAL



   CONCEITO DE GÊNERO TEXTUAL

Segundo Marcuschi (2003), Gênero textual é a denominação dada àsdistintas formas de linguagem que circulam socialmente, sejam elas informais ou formais. Normalmente são associados aos estudos literários, técnicos e científicos de diferentes tipos de gêneros textuais, possuem características e contribui para comunicação no nosso dia-a-dia.

GÊNEROS TEXTUAIS DO AGRUPAMENTO DO NARRAR

A narração é um tipo de gênero literário que é dividido em:
ü          Conto maravilhoso
ü         Conto de fadas
ü         Fábula
ü         Lenda
ü         Narrativa de aventura
ü         Narrativa de ficção científica
ü         Narrativa de enigma
ü         Narrativa mítica
ü         Adivinha

De acordo com Marcuschi( 2003), a principal finalidade dos atributos dos gêneros narrativos é contar e narrar um fato, fazendo com que este fato sirva de conhecimento, diversão e aprendizado. Utilizando os gêneros narrativos, podemos iniciar com contos acumulativos, ou seja, aqueles em que tem uma repetição no refrão, que é ideal para o momento de alfabetização, com o gênero de instruir, podemos trabalhar receitas culinárias, com o gênero relatar, trabalhar com crianças menores, estimulando-as a escrever pequenas biografias.  Já para a educação básica nas séries finais, é ideal trabalhar com a leitura de romances. No ensino fundamental, podemos trabalhar textos de informação cientificas, a fim de ampliar os estudos dos gêneros textuais.

  CARACTERÍSTICAS DOS GÊNEROS DO NARRAR

1. Conto maravilhoso
Os contos maravilhosos é um texto narrativo que normalmente começa por: era uma vez, Há muito tempo atrás, e sempre acontecem em florestas, reinos, etc. Sempre apresenta um protagonistae um antagonista ( Bruxas, magos, monstros, seres mágicos, etc. ). Esses aspectos mágicos servem para chamar atenção da condição humana que é limitada, mas nem sempre tem um final feliz. 

2. Fábula

As fábulas são composições literárias em que os personagens normalmente são animais, forças da natureza ou objetos que falam, e tem o objetivo de trazer para criança um ensinamento moral. 

3. Lenda

As lendas são narrativas de ditos populares que não podem ser comprovadas cientificamente, pois são frutos da imaginação da população, que passa de geração para geração.  

4.   Narrativa de aventura

As narrativas de aventura é uma ação que tem perigo, em que o personagem passa por diversas aventuras.
ü  Narrativa de ficção científica
A narrativa de ficção cientifica, tem como característica a fantasia sobre algo possível ainda que não seja no presente.

5. Narrativa de enigma

A narrativa de enigma tem por características personagens como: Criminosos, vítimas, suspeitos e detetive. 

6. Narrativa mítica

A narrativa mítica tem por característica as criações populares que são passadas de geração a geração, além de falar sobre deuses, semideuses e heróis da antiguidade. 

7.  Adivinha

A adivinha é um gênero literário pedagógico que tem por finalidade divertir e ensinar.

CONCEITO E IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM CORPORAL PARA A COMUNICAÇÃO DO ALUNO

A linguagem corporal é representada por todos os gestos e posturas que faz com que a comunicação seja melhor entendida, também pode ser considerada como comunicação não verbal. A linguagem do corpo é espelho da condição emocional das pessoas, cada gesto é uma valiosa fonte de informação. O estudo da linguagem corporal é importante para que o aluno estabeleça um comportamento comunicativo entre os colegas, transmitindo informações automaticamente.

TIPOS DE ATIVIDADES PARA EXPLORAR A LINGUAGEM CORPORAL
·         Atividades com música, deixando os alunos à vontade para dançarem e cantarem (Sugestão de músicas: Imitando os animais – Xuxa, Dança dos bichos – Eliana)
·         Atividades sobre a parte do corpo humano (Conversar com alunos sobre as partes do corpo humano, indagando a eles sobre a importância das mesmas)
·         Dinâmica estamos amarrados (Amarra os alunos de dois em dois, pelo braço, deixando eles assim até o fim da aula, eles terão que fazer tudo amarrados, depois abre uma conversa sobre o que eles acharam da atividade. O professor fala da importância do observar o outro e de respeitar os limites do outro)


 A IMPORTÂNCIA ENTREA RELAÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS DO GÊNERO DO NARRAR E A LINGUAGEM CORPORAL

Um dos maiores problemas que os profissionais da educação infantil enfrenta é lidar com diversidade do mundo, as crianças não são mais como antigamente, elas estão cada vez mais inquietas, e muitas vezes essa inquietude pode ser decorrente de problemas emocionais ou muitas vezes por desafetos que interferem diretamente em sua aprendizagem e relações interpessoais. Neste sentido, a linguagem corporal serve como um elo para minimizar os problemas com a aprendizagem e relações interpessoais.
É evidente que os relacionamentos com o outro são estreitamente ligados à atividade motora e sensoriomotora da criança. Como esta atividade permite-lhe reconhecer o mundo das coisas, permite-lhe, da mesma forma, reconhecer o mundo dos outros, diferenciar-se dele, e progressivamente adaptar-se e integrar-se a ele. (VAYER, 1984)

A criança aprende melhor e mais rápido quando interage com tudo a sua volta, e trabalhar os gêneros do narrar e a linguagem corporal é importante para estimular a imaginação e a criatividade da criança. Neste sentido, o agrupamento dos gêneros do narrar visam às relações interpessoais e o aprimoramento da leitura e escrita.
A escola é tomada como autêntico lugar de comunicação e as situações escolares como ocasiões de produção/recepção de textos. Os alunos encontram- se, assim, em múltiplas situações em que a escrita se torna possível, em que ela é mesmonecessária. Mais ainda: o funcionamento da escola pode ser transformado de tal maneira que as ocasiões de produção de textos se multiplicam: na classe, entre alunos; entre classes de uma mesma escola; entre escolas. Isto produz, forçosamente, gêneros novos, uma forma toda nova de comunicação que produz as formas lingüísticas que a possibilitam. (SCHNEUWLY, 2004)

Trabalhar os gêneros do narrar e a linguagem corporal é fundamental para interação em sala de aula. A interação é um importante meio de comunicação entre as pessoas e possibilita a manifestação dos pensamentos sore o mundo.
A linguagem corporal por sua vez , possibilita as crianças expressarem o que sentem e pensam, podendo se comunicar e se expressar de varias formas. Através da linguagem corporal as crianças passam a descobrir as coisas e o mundo a sua volta e consequentemente estimula sua percepção a respeito das coisas.
É papel do professor deve apresentar e trabalhar com os alunos os tipos e os gêneros textuais que fazem parte do cotidiano. É fundamental que os estudantes compreendam que texto não são somente aquelas composições escritas tradicionais com a qual se trabalha na escola – descrição, narração e dissertação – mas sim que o texto é produzido diariamente em todos os momentos em que nos comunicamos, tanto na forma escrita como na oral. ( CALDAS, 2005)



REFERÊNCIAS

CALDAS, L. K; PEREIRA, L.F. Jornal escolar na perspectiva da mediação dialética: uma proposta interdisciplinar. Mosaico. São José do Rio Preto, vol.4 2005.
MARCUSCHI, Luiz A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade.In: DIONÍSIO, Ângela P.; MACHADO, Anna R.; BEZERRA, Maria A. (Orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. A questão do suporte dos gêneros textuais. In: Fala e Escrita: Características e Usos. NELFE (Núcleo de Estudos Lingüísticos da Fala e Escrita), Depto. de Letras da UFPE, CNPq – 2003 (Versão provisória de18/05/2003).
SHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim e colaboradores. Tradução e organização: Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2004.
VAYER, Pierre. O diálogo corporal. A ação educativa para a criança de 2 a 5 anos. São Paulo: Manole, 1984.


|

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS



|

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

Seca na Bahia – Senhor do Bonfim

Por: Tainan Mendes

A população baiana, em especial do semiárido vem sofrendo nos últimos tempos com a falta de chuva. A seca é considerada a pior dos últimos 30 anos. A falta de chuva tem causado uma redução considerável da produção agrícola de diversos municípios baianos, que acaba afetando em maior ou menor proporção todo o estado.



Segundo o governo do Estado da Bahia, mais de 500 mil cabeças de gado já morreram no semiárido baiano, por consequência da seca. Isso sem falar dos demais animais que se não morreram, vivem em situações precárias, sofrendo com falta de água e alimentação.

A produção agrícola está tão afetada que em algumas regiões, segundo a Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil - FEAB, a produção de milho, feijão e mandioca estão zeradas.  Todo esse caos tem diminuído a mão de obra, consequentemente gerando desempregos que afeta todos os níveis. Veterinários, zootecnias e produtores também foram afetados.

A percepção de boa parte população pode ser traduzida pela opinião do estudante Ricardo Vallari, sobre um aspecto econômico da seca.
 “Em períodos de seca a impossibilidade de produção acarreta a estagnação do capital, por uma questão obvia a região do semiárido, que a mais afetada pela seca, deixa de comercializar com as outras regiões, já que não tem um potencial industrial”. Ele enfatiza sua visão sobre a atuação de parte da classe política nacional:
Estamos inseridos em uma realidade corrupta. Existe uma rede de interesses que sustenta a seca como meio de desviar verbas destinadas a redução dos problemas por ela causados”.

Em relação ao milho, o Secretário da Agricultura Eduardo Salles, apresentou uma ação emergencial e estruturante através do governo do Estado, em parceria com a Presidência da República que é a captação de 80 mil toneladas de milho para a Bahia. O milho poderá ser vendido num limite de 6 mil toneladas por produtor e será disponibilizado pelo valor subsidiado de balcão.

Umas das cidades baianas mais afetadas pela longa estiagem é Senhor do Bonfim, localizada no norte do estado. Com a grave situação da região, no dia 08 /03/ 2013, o governo estadual decretou estado emergencial  (Decreto nº 14.346) em 214 municípios, entre eles, Senhor do Bonfim.

Com as dificuldades encontradas, a produção agrícola e o comércio sofreram danos irreparáveis, como afirma Barbara Araújo, estudando e moradora de Senhor do Bonfim:
Um dos principais impactos foi a produção de leito. Alguns pecuaristas chegaram e perder cerca de 50% de seu rebanho. A economia da cidade ficou bastante abalada.”

Com a economia abalada, a alternativa encontrada pelos comerciantes foi reduzir o número da mão de obra e elevar o preço dos produtos, diminuindo o poder de compra do consumidor.

A Administradora de Empresas, Edilania Borges, explica como a seca pode afetar economicamente uma região:
"Levando em consideração que é importante que a economia vá bem para que a saúde financeira da região não seja comprometida, o problema da seca faz com que a oferta de alimentos seja menor e consequentemente ocorra um aumento do preço dos alimentos, fazendo com que a inflação da região ultrapasse o permitido pelo Banco Central que é cerca de 6,5%.  Quando há um aumento da inflação todos saem perdendo, o agricultor que passará a ofertar seus produtos a um preço maior, o que ocasionará em uma queda no seu faturamento, o consumidor que terá que se adaptar a nova realidade e terá que abdicar de algumas regalias, e a região que sofrerá com o desaquecimento da economia do lugar, uma vez que as pessoas passam a comprar menos devido aos preços elevados.”

Com a economia enfraquecida, o turismo na região também foi afetado. Conhecida como a "Capital do forró”, Senhor do Bonfim tem uma das mais tradicionais festas de são joão da Bahia. A cidade atrai turistas de todo estado nessa época do ano. Além da festa realizada gratuitamente, pela prefeitura, na praça municipal, acontece o tradicional e tão esperado “Forro do Sfrega”, evento privado, realizado num espaço denominado “Vila do Sfrega”. Esse ano a cidade correu risco de não comemorar a data festiva na praça municipal. O evento não foi cancelada, entretanto a prefeitura reduziu em 50% o número de dias, além de reduzir nos mesmos 50%  os investimentos feitos para realização do evento.

A não realização da festa abalaria ainda mais a economia da região, como explica Edilania Borges:
"Partindo do pressuposto de que a data comemorativa gera renda para a região,  a não realização do das festas juninas traria grandes consequências econômicas uma vez que diminuiria o fluxo de turistas que provavelmente participaria do evento, fazendo com que a região tivesse uma queda no faturamento, prejudicando assim a economia da região."
O balanço das ações emergenciais realizadas pela Secretaria da Casa Civil em relação a distribuição de alimentos até 13/01/2013 são:

Dos 260 municípios com emergência decretada até 07/01/2013:
·         179 receberam e distribuíram 2.000 toneladas de feijão e 1.000 toneladas de arroz.
·         15 municípios receberam e distribuíram 9.630 cestas de alimentos.
·         Pendência: prestação de contas da CORDEC para a CONAB. Será entregue amanhã (08/01/2013)
·         11 municípios receberam e distribuíram 11 toneladas de frango;
·         194 municípios receberam e distribuíram 129.231 vales-cestas no valor de R$ 65,00 (R$ 8,4 milhões);
·         123 municípios foram beneficiados com a ampliação de 1.079.000 pratos do Programa Nossa Sopa;

Próximas operações:
·         NOVAS CESTAS: 68 municípios receberão 60 mil cestas de alimentos (39 com emergência decretada em data posterior a 11/06, 20 do CONSISAL e 10 do último lote cujas cotas foram incompletas).


·         Suco de laranja:
·         3,5 milhões de litros em embalagem tetra-pak (1,5 do estoque da CONAB e 2 milhões de litros adquiridos (R$ 5 milhões) dos citricultores do Litoral Norte via PAA formação de estoque.
·         1.200 agricultores familiares do Litoral Norte da Bahia beneficiados: Rio Real (950), Itapicuru (235) e Inhambupe (50) vinculados a 07 organizações e cooperativas.
·         45 municípios dos territórios Semiárido Nordeste II, Sisal e Litoral Norte/Agreste de Alagoinhas (próximos à Estância –SE) beneficiados.
·          
·         Leite UHT (longa vida): 2,4 milhões de litros para 78 municípios (19 do Programa Leite Fome Zero e os municípios dos Territórios do Semiárido Nordeste II, Sisal, Irecê e Piemonte da Diamantina). Serão distribuídos 24 litros por família.

·         EXECUÇÃO CARRO PIPA / CAR – RECURSO FEDERAL MI :R$ 12,8 milhões investidos, com contratação de carros-pipa pela CAR (Companhia).

·         Leite UHT (longa vida): 2,4 milhões de litros para 78 municípios (19 do Programa Leite Fome Zero e os municípios dos Territórios do Semi-árido Nordeste II, Sisal, Irecê e Piemonte da Diamantina). Serão distribuídos 24 litros por família.”

Com toda essas mudanças prometidas, a população sonha, no mínimo com a diminuição do caos.

Disponível em: http://comunicandocomtainanmendes.blogspot.com.br/search/label/Economia



|

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

O poder Chinês (Economia chinesa)

         


ABERTURA POLÍTICO-ECONÔMICA CHINESA

De acordo com Valadão e Silva , é em 1979 que ocorre a abertura político-econômica da China. Sukup (2002) comenta que com a essa abertura, a China teve destaque na modernização e economia globalizada, desde a chegada do governante chinês Deng Xiaoping, dois anos após a morte de Mao Tse Tung, a economia chinesa abriu-se rapidamente e mostrou uma das maiores taxas de crescimento do mundo. Porém, é importante salientar, que a China já tinha muitas experiências em mudanças radicais, durante o século XX, passou por mais revoluções que qualquer outro país. Uma das maiores preocupações salientadas no testamento de Deng, é o futuro dos grupos étnicos minoritários que representam, pouco mais de 5% da população total da China.
Na década de 1990, segundo Medeiros (2006), é que ocorre uma incrível expansão de exportações e investimentos privados. Na mesma época, para Valadão e Silva , ocorre a elevação do PIB. Essa elevação do Produto Interno Bruto chinês foi possível graças à inserção da economia chinesa no comércio internacional, que se deu devido à especialização e o desenvolvimento tecnológico. .
Em 1997, no entanto, acontece o declínio das exportações e do PIB da China, ocorrido em consequência da Crise Asiática, que desvalorizou a moeda e os preços dos ativos nos mercados acionários do continente. Para conter tal situação, de acordo com Medeiros (2006), a China acelera os gastos públicos, investindo em tecnologia e infraestrutura, e relaxa o crédito dos bancos públicos. De acordo com Almeida (2009), a china possuía um PIB equivalente a quase um terço do PIB mundial até o fim do século XVIII, ela regrediu a menos de 5% do PIB global nos anos 1960, recuperando alguma parte da perda, só nos anos 2000.
Essa tão mencionada abertura político-econômica reflete diretamente no processo de globalização que, segundo Sekup (2002), tem dado à China um papel de destaque no mundo do século XXI. Nesse âmbito, não é possível prever como a China será no dia de amanhã, mas dado o seu peso demográfico, econômico e político, não restam dúvidas que a China será essencial no cenário mundial do século XXI. Antes o posto era do Japão, hoje em dia a china se sobressai cada vez mais como locomotiva econômica regional.
Setup (2002) afirma que alguns observadores salientam que o nível de vida do chinês melhorou consideravelmente, especialmente entre os agricultores, tudo é abundante para à massa camponesa.
Outra informação interessante trazida pelo autor, é que o grande desenvolvimento chinês não pode ser esquecido como referência aos “tigres”, pois dois deles são chineses. Porém, a China também tem seus lados ruins, como por exemplo, o fato de ser um país que bate o recorde mundial em matéria de pena de morte e seu sistema jurídico-policial está longe das normas democráticas.



      REFORMAS ECONÔMICAS

Ribeiro (2008) sinaliza que a mudança da situação econômica da China se dá em virtude das reformas econômicas na agricultura e no setor industrial.
Medeiros (1999, apud RIBEIRO, 2008, p. 98) afirma que a “autorização, concedida pelo estado chinês já em 1979, de que parte do excedente agrícola pudesse ser comercializado livremente (...) pelos produtores/ camponeses”, foi de grande importância para os resultados da reforma agrícola.
As terras eram propriedade do Estado, que as “emprestava” à cooperativas de famílias e famílias individuais, em troca da venda de parte da produção para ele.
De acordo com Ribeiro (2008), essa mudança estimulou os camponeses, que passaram a produzir mais. Para se ter uma ideia, antes da reforma, em 1977, a produção de grãos e carne eram de 300 e 100 kg, respectivamente, já em 1984 esses números saltaram para 400 e 200 Kg, respectivamente.
Outro motivo que, segundo Ribeiro (2008), colaborou para a mudança no cenário agrícola relaciona-se às grandes obras hidráulicas, que aumentaram a parte irrigada do país, além da implantação de grandes empresas industriais estatais produtoras de insumos modernos para a agricultura, que atenderam às demandas das famílias chinesas.
Esse cenário, para Ribeiro (2008, p. 99), favoreceu o “aumento na renda do camponês e a expansão do mercado de bens de consumo”.
As reformas no setor industrial, comenta Ribeiro (2008), referem-se à mudança do monopólio do Estado, presente no período de Mao Tse Tung e a atenção que o governo deu à atração dos investimentos estrangeiros e o estímulo às exportações, através, principalmente, das Zonas Econômicas Especiais (ZEEs).
O Estado passou a apoiar as empresas coletivas e privadas, no intuito de possibilitar o estímulo da produção industrial. Foi estabelecido que as empresas poderiam ter metade do lucro, após a dedução dos custos, cedendo a outra metade para o Estado. Anteriormente, o lucro era somente do Estado.
O reflexo disso foi o aumento da participação das empresas coletivas no produto industrial, de 9% em 1978, para 28% em 1996. Houve também o aumento das privadas e estrangeiras e a redução das estatais, de 77% em 1978, para 38% em 1996.
Outro progresso foi a separação entre o orçamento das empresas e o orçamento fiscal do governo.
Ribeiro (2008) enfatiza que a capacidade de atração das empresas estrangeiras foi possível, devido à estratégia de criação das Zonas Econômicas Especiais. As ZEEs nada mais são do que ambientes que se utilizam de medidas/políticas distintas de comércio, de modo estratégico, na intenção de atrair investimentos.
As ZEEs foram criadas a partir de 1979 e têm como características: prática de preços livres; dependência do capital estrangeiro; captação de investimentos externos etc.
Quanto aos benefícios concedidos pelo governo aos investidores, segundo Ribeiro (2008), tem-se: preferências fiscais (IR mais baixo para empresas); isenção de impostos sobre o uso da terra para: institutos científicos, empreendimentos tecnológicos e sobre importações de matérias-primas, peças e equipamentos; isenções de impostos de exportação; autonomia administrativa (contratação/demissão de funcionários); concessão de créditos pelo Banco da China etc. Tais benefícios foram cruciais para o favorecimento das exportações e dos Investimentos Diretos Estrangeiros.
Há também o outro lado de toda a estratégia e o investimento nessas reformas, é a desigualdade econômica e social, de acordo com Ribeiro (2008).
Os investimentos Diretos Estrangeiros concentram-se, em sua maioria,  em algumas províncias. “A desigualdade na distribuição de IDEs também é percebida quando se analisam os resultados entre as províncias, relativamente ao investimento do governo, às exportações e ao próprio crescimento econômico” (RIBEIRO, 2008, p. 107).



             PESQUISA E DESENVOLVIMENTO (P&D)

Nonnenberg (2010) traz a informação de que cada vez mais a China vem investindo em P&D, o que impulsiona o crescimento do país, além de incentivar a especialização em ciências e tecnologias. Com isso, a China investe em educação, devido à necessidade crescente de ter profissionais qualificados e que consigam realizar atividades focadas no crescimento, desenvolvimento e aperfeiçoamento das tecnologias, e ao mesmo tempo se torna exportadora dessas tecnologias.
O autor ainda traz uma informação interessante: a China gasta com P&D apesar de não estar entre os países com maior percentual de alfabetizados.
Desse modo, é importante perceber que a China, mesmo vivendo uma “dupla realidade”, ou seja, de um lado o grande desenvolvimento político, econômico e tecnológico e de outro a precariedade no que tange à educação de base, procura a melhoria constante de seus indicadores, utilizando estratégias planejadas cuidadosamente.


            POUPANÇA E INVESTIMENTO

De acordo com Nonnenberg (2010), a china possui taxas de poupança elevadas. Isso se deve aos menores gastos com educação, saúde e previdência. O autor afirma que ocorre um grande incentivo à poupança, que pode favorecer um consumo futuro.
No que diz respeito à poupança das empresas, o autor comenta que desde 2002 ocorreu uma elevação nesse âmbito. Abaixo seguem algumas causas, segundo ele, que corroboraram para tal acontecimento:
1)           Aumento da lucratividade das empresas;
2)           Política de distribuição de dividendos
- O Estado (acionista majoritário da maioria das empresas) não os recebe e os acionistas privados recebem poucos.
3)           Acumulação de capital
- Estimulou a retenção de parcela dos lucros, possibilitando om maior crescimento econômico.
Advindos principalmente das empresas, segundo Nonnenberg (2010), os investimentos são limitados em virtude do retorno esperado de novos projetos.
O autor afirma que para não haver a redução do retorno de novos investimentos, impactando o processo de crescimento, é preciso que o aumento da capacidade de produção chinesa seja acompanhado pela expansão do consumo.



             ALGUMAS CAUSAS DO CRESCIMENTO CHINÊS

·                    Liberalização do sistema de formação de preços
- O governo central fixava a produção com o preço já determinado, o que restava poderia ser negociado livremente.
·                    Criação das Zonas Econômicas Especiais (ZEEs)
-  Região geográfica de um país que possibilita o incentivo ao desenvolvimento econômico da região e a atração de investimentos.
·                    Mão-de-obra rural
- Grande contingente, baixos salários, crescente demanda por trabalho.
·                    Ausência de proteção à propriedade intelectual
- Apropriação ilegal do conhecimento advindo do exterior, para a produção, por conta própria, de produtos semelhantes, por preços mais baixos.
·                    Favorecimento de economias de escala, devido ao tamanho da população
Produz:
83 milhões de televisores/ano
     420 milhões de toneladas de aço bruto
     1,2 bilhão de toneladas de cimento
·                    Incentivo à inovação, transferência e geração de ciência e tecnologia
- Possibilitou a atração de investidores e o aumento nas exportações.


       RATING DA CHINA

A agência de classificação de risco Moody's afirmou o rating dos títulos do governo da China em "Aa3", mas cortou a perspectiva de positiva para estável, a segunda revisão pessimista feita por uma agência de classificação internacional neste mês (AGÊNCIA REBAIXA...2013).

O Rating de crédito de longo prazo da china havia passado  de AA- para A+, ou seja, passou de uma qualidade de crédito muito alta, capacidade muito forte de honrar seus compromissos financeiros e risco de crédito bastante baixo, para qualidade de crédito alta, capacidade forte de honrar seus compromissos financeiros, mas é um pouco mais suscetível às condições econômicas e situações econômicas adversas do que os ratings anteriores. Tudo isso devido às preocupações com o aumento do risco mediante os empréstimos excessivos do governo.
O novo rating da china de Aa3 é devido aos fundamentos de crédito firmado pelo elevado crescimento econômico, e as fortes finanças do governo. Porém é necessário que haja novas reformas a fim de evitar o aumento do risco. Toda via, os ativos externos da China ultrapassam sua responsabilidade financeira  em US$ 1,8 trilhões.



     CURIOSIDADES

Medeiros (2006)

·                    A construção civil é alvo de grande investimento;
·                    A taxa de urbanização cresceu nos últimos 30 anos, 38% a.a.;
·                    Entre 2000 e 2003, os EUA importaram da China 50% a mais.

Nonnenberg (2010)

·                    Crescimento da importação de combustíveis;
- Déficit de fontes de energia, principalmente o petróleo.
·                    Crescimento da importação de minerais;
- Demanda superior à oferta (apesar de ser o maior produtor mundial de minério de ferro).
·                    Aumento dos gastos em investimento;
·                    Incentivo à P&D – Inovação
·                    Ampliação de gastos militares (10% do seu orçamento), aumentando gradativamente sua participação na economia mundial, e ocasionando, consequentemente, o crescimento de possíveis conflitos.

Sukup (2002)

·         A participação da China nas exportações mundiais de produtos de manufatura aumentou de 0,8 para 3,6% entre 1985 e 1995.



            CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como foi visto anteriormente, a partir de 1979 a China realiza sua abertura político-econômica, o que possibilitou a expansão das exportações e dos investimentos, no longo prazo, fazendo com que pudesse acompanhar uma economia mundial cada vez mais globalizada.
Muitas das melhorias no cenário chinês se dão em virtude das reformas econômicas na agricultura, que foi importante para estimular a produção, e no setor industrial, que possibilitou a atração dos investimentos estrangeiros e estimulou às exportações.
A criação das ZEEs, o crescimento da mão-de-obra rural, a negociação livre de preços, o incentivo à inovação etc., são apontados como causas do crescimento do país. Nesse novo cenário, é possível perceber que a China vem tentando alcançar a modernização e a inserção na economia mundial.
Acerca da avaliação e classificação dos riscos dos ativos chineses, é possível afirmar que o país possui qualidade alta de crédito, capacidade boa de honrar seus compromissos e é mais suscetível às condições e situações econômicas adversas do que os ratings anteriores. Portanto, é um país relativamente seguro de se aplicar.
Observou-se, também, que o grande crescimento e desenvolvimento econômico chinês, é acompanhado por uma grande desigualdade econômica e social, justamente por conta dos investimentos serem realizados visando à ascensão de algumas províncias (por questões de localização geográfica). Outro ponto negativo é o recorde de penas de morte e a falta de democracia no âmbito jurídico-policial no país.


Referências

AGÊNCIA REBAIXA avaliação da China com dados mais fracos de crescimento. UOL Economia, São Paulo, Abr. 2013. Disponível em: < http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/04/16/agencia-rebaixa-avaliacao-da-china-com-dados-mais-fracos-de-crescimento.htm> Acesso em: 11 de maio de 2013.
MEDEIROS, Carlos Aguiar de. A China como um duplo pólo na economia mundial e a recentralização da economia asiática. Rev. Econ. Polit. [online]. 2006, vol.26, n.3, pp. 381-400. ISSN 0101-3157. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rep/v26n3/a04v26n3.pdf>. Acesso em: 08 de maio de 2013.
NONNENBERG, Marcelo José Braga. China: estabilidade e crescimento econômico. Rev. Econ. Polit. [online]. 2010, vol.30, n.2, pp. 201-218. ISSN 0101-3157. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rep/v30n2/02.pdf>. Acesso em: 08 de maio de 2013.
RIBEIRO, Valéria Lopes. A china e a economia mundial: uma abordagem sobre a ascensão chinesa na segunda metade do século XX. Florianópolis, 2008. Disponível em:<http://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/91791/259763.pdf?sequence=1>. Acesso em: 09 de maio de 2013

SUKUP, Viktor. A China frente à globalização: desafios e oportunidades. Rev. bras. polít. int. [online]. 2002, vol.45, n.2, pp. 82-113. ISSN 0034-7329. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbpi/v45n2/a05v45n2.pdf>. Acesso em: 10 de maio de 2013.


VALADÃO, Marcos Aurélio Pereira; SILVA, Lauriana Magalhães. Economia chinesa: evolução e tendências. [S.l.], [20--?]. Revista do Mestrado em Direito. Disponível em:<http://portalrevistas.ucb.br/index.php/rvmd/article/viewFile/2561/1554>. Acesso em: 11 de maio de 2013.


|

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS